Rubens RomanelliRubens Romanelli

Rubens Costa Romanelli nasceu em Divinópolis, Minas Gerais, em 17 de setembro de 1913. Em virtude de questões familiares e pelo fato de haver começado a trabalhar muito cedo, só pôde concluir o ensino secundário (atual ensino médio) aos 26 anos de idade. Isso, no entanto, não impediu que ele deixasse uma importante contribuição nos campos da Lingüística, Filosofia e Educação. Formou-se em Letras na Faculdade de Filosofia de Minas Gerais. Desde 1944 foi professor e diretor de importantes educandários belo-horizontinos, destacando-se, dentre estes, o Instituto de Educação de Minas Gerais e o ginásio O Precursor, órgão educacional da União Espírita Mineira. Em 1963, obteve o grau de doutor em Letras e o de Livre Docente da Cadeira de Língua Latina da Faculdade de Filosofia de Minas Gerais, entidade da qual foi diretor, por indicação de seus colegas. Além disso, fez vários cursos de aperfeiçoamento, principalmente na França, obteve títulos e foi homenageado em diferentes situações, em virtude de sua contribuição no âmbito da cultura. Ao que consta, dominava 12 idiomas.

O que mais impressionava era o fato de ele associar à sua cultura virtudes morais genuínas que faziam com que fosse considerado um autêntico mestre. Um pequeno excerto escrito por seu colega, Dr. Olinto Carlos da Fonseca, como homenagem após seu desencarne, resume bem o exposto: “Mas a cultura (…) do professor e do intelectual, conquistada a duras penas pelo trabalho incansável, se eclipsa de certo modo diante do valor humano de uma personalidade ímpar, do porte moral do mestre e do sábio, em que as virtudes do coração, bondade, candura, humildade, equilíbrio, generosidade, senso de justiça, de honra e cumprimento do dever, que transparecem nos atos da vida quotidiana, formam a estrutura íntima de um conjunto coeso, de uma unidade harmônica de forças em equilíbrio, porque têm por fundamento a suprema força do Amor.”

Lendo atentamente, veremos que sua busca, de fato, foi a da síntese em que todos os conhecimentos se fundem como influxo da mesma causa originária que é Deus. Por isso, como pesquisador, professor e escritor, sua investigação tangenciava o relacionamento criatura – Criador.

Encerremos esta breve apresentação com uma de suas lapidares colocações: “Cultiva com carinho o teu espírito. Mas, não cuides simplesmente de ser culto, senão também de ser bom. A cultura poderá dar-te a glória dos homens, mas só a bondade poderá conferir-te a glória de Deus.”

Desencarnou em 24 de dezembro de 1978, em decorrência de um acidente automobilístico.

Autoria: Tovar Nelson Pereira Júnior