Prof. Cícero Pereira

“O Professor Cícero Pereira viveu como um paladino do evangelho e morreu na humildade…

Chapéu de feltro, surrado, roupa escura, estatura mais para baixa do que mediana, de óculos, meditativo, bondade sem fim. Morreu lutando como um lutador.

Seu pensamento era sempre evangélico, suas páginas publicadas nos últimos anos em “O Poder” eram lidas com carinho e interesse por todos…

Cícero Pereira que fora educador emérito, era portador de tanta humildade que não se julgava digno de andar em qualquer condução.

Nem de bonde. Sempre a pé. Atravessava a cidade com seu inconfundível guarda-chuva, gastando a sola dos sapatos. Morava longe, no Bonfim, perto do cemitério…”

(Trecho retirado do livro psicografado por Francisco Cândido Xavier, páginas 34 e 35).

Foi numa manhã clara de verão que o menino Cícero Pereira viu a luz no dia 14 de novembro de 1881, no distrito de Grão Mogol, Zona de Diamantina, bem no coração de Minas Gerais.

O seu regresso ao plano espiritual ocorreu a 04 de novembro de 1948, em Belo Horizonte, no mesmo estado, aos 67 anos de idade.

Fez os seus primeiros estudos em sua cidade natal. Aos 13 anos transferiu-se para Montes Claros a fim de melhor aproveitar os seus dotes intelectuais. Ainda imberbe fez um concurso para o magistério, ingressando na escola normal, onde recebeu o seu diploma e foi premiado no mesmo estabelecimento para uma cadeira, no mesmo, onde lecionou por muitos anos.

Professor Cícero Pereira penetrou nos fundamentos da doutrina espírita pelas mãos de Antônio Loureiro, que o conduziu ao conhecimento das obras básicas. Inicialmente, com o seu espírito de liderança, teve a mais decidida luta religiosa, originada pela diocese de Diamantina contra o espiritismo em toda aquela região.

Em 1900 foi removido para sua cidade natal. Com a sua alma povoada dos mais puros ideais de fraternidade, conseguiu em pouco tempo reunir um grande número de adeptos do espiritismo, findando naquela cidade o primeiro centro espírita. Durante 11 anos suportou com estoismo, rosários de injúrias e perseguições, porém, a sua conduta cristã foi o salvo conduto para continuar, inclusive trazer para as fileiras da doutrina, grande número de ex-adversários.

Em 1927, transferido para Belo Horizonte, passou a colaborar na União Espírita Mineira, especialmente no jornal “O Espírita Mineiro”, dando-lhes novas dimensões. Cultor do esperanto divulgou muito a Língua Internacional, criada por Lázaro Zamenhof. Substituiu Antônio Lima na presidência da UEM, de 1937 a 1940, e desta data até 1948 exerceu a vice-presidência com grandes atividades nos departamentos doutrinário e assistencial.

Professor Cícero Pereira foi um dos fundadores do “Abrigo Jesus”, de amparo à criança órfã e da “Casa Transitória”, destinada a socorrer em caráter temporário criaturas desajustadas. Sua vida foi exemplo de amor e dedicação à causa espírita, com Jesus e Kardec, por um mundo melhor.