reunioespublicas inicialsite  ciclosite 2017 01 1  terceirodomingo2017 chamadasite 02  abrace essa causa 01  Doe online

Imperiosidade do Aperfeiçoamento

Com a responsabilidade de nortear os destinos da Humanidade no rumo da perfeição, lúcidas providências vêm sendo adotadas por Jesus no sentido de nos canalizar todo um sistema de recursos capazes de atender ao imperativo da nossa evolução.

À luz dos conhecimentos já arregimentados não nos é difícil depreender que tal desiderato só poderá ser atingido se elaborado nos alicerces da educação.

Leia Mais

Estudo da Doutrina Espírita

"Espíritas!, amai-vos, eis o primeiro ensinamento. Instruí-vos, eis o segundo."
(Espírito Verdade. Paris, 1860.) Allan Kardec – O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. VI, item 5.

O Espiritismo em sua proposta consoladora, busca despertar os homens para o que o Cristo veio na Terra ensinar com o seu exemplo – a fé no futuro e a confiança na justiça de Deus. A exemplificação do amor e da caridade do Cristo no roteiro da vida é o principal desafio para todos os cristãos.

Leia mais...

Jornal Evangelho e Ação

Convidamos você, caro leitor/internauta, a navegar pelas páginas de história e de trabalho de nossa Casa, por meio das edições digitalizadas do jornal, desde seu primeiro número, no ano de 1988 até a atualidade.

Esperamos que você sinta, por meio dessas páginas singelas, todo o carinho que alimenta a Fraternidade Espírita Irmão Glacus em todos estes anos de atividades.

É possível reviver momentos importantes, como a construção da Fundação; relatos espirituais; mensagens de terceiro domingo; e milhares e milhares de tarefeiros que por aqui passaram contribuindo para a divulgação de nossa doutrina e para o fortalecimento da caridade que ora abraçamos em nome do Cristo.

Esperamos que você, leitor amigo, sinta a mesma alegria que nós outros sentimos aos nos debruçarmos sobre essas páginas, que, passados tantos anos, continuam trazendo alento e paz aos nossos corações.

Boa leitura!
Veja todas as edições do nosso Jornal:

2006 2007 2008 2009 2010
Nº  0169 - mês 01     Nº 0180 - mês 01 Nº       - - - Nº  0203 - mês 01 Nº  0215 - mês 01
Nº  0170 - mês 02 Nº 0181 - mês 02

Nº       - - -

Nº  0204 - mês 02 Nº  0216 - mês 02
Nº  0171 - mês 03 Nº 0182 - mês 03 Nº  0193 - mês 03 Nº  0205 - mês 03 Nº  0217 - mês 03
Nº  0172 - mês 04 Nº 0183 - mês 04 Nº  0194 - mês 04 Nº  0206 - mês 04 Nº  0218 - mês 04
Nº  0173 - mês 05 Nº 0184 - mês 05 Nº  0195 - mês 05 Nº  0207 - mês 05 Nº  0219 - mês 05
Nº  0174 - mês 06 Nº 0185 - mês 06 Nº  0196 - mês 06 Nº  0208 - mês 06 Nº  0220 - mês 06
Nº  0175 - mês 07 Nº 0186 - mês 07 Nº  0197 - mês 07 Nº  0209 - mês 07 Nº  0221 - mês 07
Nº  0176 - mês 08 Nº 0187 - mês 08 Nº  0198 - mês 08 Nº  0210 - mês 08 Nº  0222 - mês 08
Nº  0177 - mêses 09 e 10 Nº 0188 - mês 09 Nº  0199 - mês 09 Nº  0211 - mês 09 Nº  0223 - mês 09
Nº          - - - Nº       - - - 
Nº  0200 - mês 10 Nº  0212 - mês 10 Nº  0224 - mês 10
Nº  0178 - mês 11 Nº 0189 - mês 11 Nº  0201 - mês 11 Nº  0213 - mês 11 Nº  0225 - mês 11
Nº  0179 - mês 12 Nº 0190 - mês 12 Nº  0202 - mês 12 Nº  0214 - mês 12 Nº  0226 - mês 12

 

2001 2002 2003 2004 2005
Nº  0110 - mês 01     Nº  0122 - mês 01 Nº  0133 - mês 01 Nº  0145 - mês 01 Nº  0157 - mês 01
Nº  0111 - mês 02 Nº  0123 - mêses 02 e 03

Nº  0134 - mês 02

Nº  0146 - mês 02 Nº  0158 - mês 01
Nº  0112 - mês 03 Nº            - - - Nº  0135 - mês 03 Nº  0147 - mês 03 Nº  0159 - mês 01
Nº  0113 - mês 04 Nº  0124 - mês 04 Nº  0136 - mês 04 Nº  0148 - mês 04 Nº  0160 - mês 04
Nº  0114 - mês 05 Nº  0125 - mês 05 Nº  0137- mês 05 Nº  0149 - mês 05 Nº  0161 - mês 05
Nº  0115 - mês 06 Nº  0126 - mês 06 Nº  0138 - mês 06 Nº  0150 - mês 06 Nº  0162 - mês 06
Nº  0116 - mês 07 Nº  0127 - mês 07 Nº  0139 - mês 07 Nº  0151 - mês 07 Nº  0163 - mês 07
Nº  0117 - mês 08 Nº  0128 - mês 08 Nº  0140 - mês 08 Nº  0152 - mês 08 Nº  0164 - mês 08
Nº  0118 - mêses 09 e 10 Nº           - - - Nº  0141 - mês 09 Nº  0153 - mês 09 Nº  0165 - mês 09
Nº           - - - Nº  0130 - mês 10  Nº  0142 - mês 10 Nº  0154 - mês 10 Nº  0166 - mês 10
Nº  0119 - mês 11 Nº  0131 - mês 11 Nº  0143 - mês 11 Nº  0155 - mês 11 Nº  0167 - mês 11
Nº  0120 - mês 12 Nº  0132 - mês 12 Nº  0144 - mês 12 Nº  0156 - mês 12 Nº  0168 - mês 12

 

1992 1993 1994 1995
Nº  0021 - meses 01 e 02     Nº 0027 - meses 01 e 02  Nº 0033 - meses 01 e 02 Nº 0040 - mês 02  
Nº  0022 - meses 03 e 04 Nº 0028 - meses 03 e 04

Nº 0034 - meses 03 e 04

Nº 0041 - mês 03
Nº  0023 - meses 05 e 06 Nº 0029 - meses 05 e 06 Nº 0035 - meses 05 e 06 Nº 0042 - mês 04
Nº  0024 - meses 07e 18 Nº 0030 - meses 07 e 08 Nº 0036 - meses 07 e 08 Nº 0043 - mês 05
Nº  0025 - meses 09 e 10 Nº 0031 - meses 09 e 10 Nº 0037 - mês 09 Nº 0044 - mês 06
 Nº 0026 - meses 11 e 12 Nº 0032 - meses 11 e 12 Nº 0038 - mês 10 Nº 0045 - mês 07
  - - -   - - - Nº 0039 - meses 11/12 e 01-2005 Nº 0046 - mês 08
  - - -   - - -   - - - Nº 0047 - mês 09
  - - -   - - -   - - - Nº 0048 - mês 10
  - - -   - - -   - - - Nº 0049 - mês 11
  - - -   - - -   - - - Nº 0050 - mês 12

 

 

 

Reuniões de Convívio Espiritual

É um encontro realizado todo o terceiro domingo de cada mês, às 16h na Fundação ou em nossa sede, com fins de confraternização entre a direção da Casa, seus tarefeiros e frequentadores, oportunidade na qual alguns dos nossos médiuns manifestam a palavra amiga e orientadora dos Mentores da Casa, através da psicofonia.

A programação das reuniões de 2017 já está disponível:

terceirodomingo2017

Editorial

Com disciplina e humildade, na Fraternidade Enio chegava.
Subia até o salão principal e a todos com os quais cruzava,
com o sorriso animador, ele saudava: "Paz e Alegria!".
Essa era a sua marca.
Aceitou o convite que há quarenta anos a ele foi feito,
com dedicação, responsabilidade e abnegação,
colocou em prática o amor, a caridade e o respeito.
Enio querido, trabalhador incansável, hoje, de joelhos em espírito,
reverenciamos com gratidão, o legado por você deixado.
Você será, por toda família de Glacus, eternamente lembrado.
Seguiremos seu exemplo de servidor devotado,
na causa do Cristo, em auxílio aos mais necessitados.
Jamais esqueceremos suas palavras, em sintonia com o Evangelho de Jesus, que a todos encorajava.
A vida continua e agora estaremos com você na sintonia da prece, no pulsar dos corações e nos perfumes das flores, que você plantou nos jardins de nossas almas e que exalarão na continuidade de nossos atos, fortalecendo sua construção.
Enio: "Paz e Alegria!".
O seu compromisso foi cumprido com plena galhardia.
A você, doce e amado irmão, nossa eterna gratidão!

Alexa Casali

Editorial - Frutos

"Portanto, pelos seus frutos os conhecereis." — Jesus. (MATEUS. Capítulo 7, versículo 20.)

O mundo atual, em suas elevadas características de inteligência, reclama frutos para examinar as sementes dos princípios.
O cristão, em razão disso, necessita aprender com a boa árvore que recebe os elementos da Providência Divina, através da seiva, e converte-os em utilidades para as criaturas.

Leia mais...

Editorial - Consegues Ir?

"Vinde a mim" – Jesus. (Mateus, 11:28.)

O crente escuta o apelo do Mestre, anotando abençoadas consolações. O doutrinador repete-o para comunicar vibrações de conforto espiritual aos ouvintes.
Todos ouvem as palavras do Cristo, as quais insistem para que a mente inquieta e o coração atormentado lhe procurem o regaço refrigerante...
Contudo, se é fácil ouvir e repetir o "vinde a mim" do Senhor, quão difícil é "ir para Ele"!

Leia mais...

A materialização de Emmanuel

EmmanuelEm 1953, Chico estava na cabine quando a sala foi iluminada por uma espécie de relâmpago. Segundo o livro Mandato de Amor: "Já era bem tarde, Chico ainda estava na cabine, quando se materializou uma entidade, cujo porte e luminosidade demonstraram-nos grande superioridade. A porta por onde adentrou o recinto evidenciou-lhe a estatura elevada. Profundo silêncio se fez, embora sussurros se fizessem ouvir:
— Emmanuel?!?
Ali estava o abnegado servidor de Cristo, o ex-senador romano!
Arnaldo Rocha assim descreve a profunda emoção causada pela materialização daquela singular e inesquecível presença: A materialização de Emmanuel foi magnífica! Emmanuel é um belíssimo tipo de homem. Atlético, alto, provavelmente 1 metro e 90 centímetros de altura. Sua voz clara, forte, baritonada, suave mas enérgica, impressionou-nos muito. O andar e os gestos elegantes, simples, porém aristocráticos. No grande e largo tórax um luzeiro multicolorido. Na mão direita, erguida, trazia uma tocha luminescente e sua presença sempre irradiava paz, harmonia, beleza e felicidade."
E ele falou a todos:
- Amigos, a materialização é fenômeno que pode deslumbrar alguns companheiros e até beneficiá-los com a cura física. Mas o livro é chuva que fertiliza lavouras imensas, alcançando milhões de almas. Rogo aos amigos a suspensão destas reuniões a partir desse momento.
Pelo visto, a espiritualidade só permitiu essas materializações para atrair o interessa para a doutrina espírita. De fato, não faz muito sentido espíritos ficarem se exibindo para satisfazer a curiosidade humana, a menos que isso sirva para que os humanos se interessem em estudar, progredir, mudar suas atitudes menos nobres, e foi por isso que depois disso Chico se dedicou apenas a psicografar. E psicografou muito.

Almas em Desfile

Almas em Desfile

 Nas histórias desse livro, você poderá identificar sua própria história. O autor espiritual, Hilário Silva, é um retratista de corações ao revelar diversos quadros do cotidiano. E as telas se destacam. É a trilha humana com seus sonhos e esperanças, flores e espinhos, alegrias e sofrimentos. São 52 temas extraídos do livro da vida, que nos convidam ao alimento do amor e da compaixão nos relacionamentos.

Pelo espírito Hilário Silva
Psicografia de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira

Editorial - Elogios

"Mas ele disse: Antes, bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam". (Lucas, 11, 28.)

Dirigira-se Jesus à multidão, com o enorme poder do seu amor, conquistando geral atenção. Mal terminara as observações amorosas e sábias, eis que uma senhora se levanta no seio da turba e, magnetizada pela sua expressão de espiritualidade sublime, reporta-se, em alta voz, às bem-aventuranças que deviam caber a Maria, por haver contribuído na vinda do Salvador à face da Terra. Mas, prestamente, na perfeita compreensão das consequências infelizes que poderiam advir da atitude impensada, responde o Mestre que, antes de tudo, serão bem-aventurados os que ouvem a revelação de Deus e lhe praticam os ensinamentos, observando-lhe os princípios.

Leia mais...

Equilíbrio e Felicidade

Felicidade
"(...) faltou-me o amparo da esposa. Enquanto a tive a meu lado, verificava-se profundo equilíbrio em minhas forças psíquicas. A companhia dela, sem que eu pudesse explicar, compensava-me todo gasto de energia mediúnica. Minha noção de balanço estava nas mãos de minha querida Adélia.

Leia mais...

Editorial - Indispensabilidade do Trabalho

O progresso, nas suas mais variadas expressões, tem as suas diretrizes fixadas na lei do trabalho, sem o que não se conseguiria sustentar.
Desse modo, em todo o Universo, o trabalho é a expressão de grandeza que reflete a glória do Pai Criador.

Leia mais...

Editorial - Na tarefa da paz

..."A minha paz vos dou"... (Jesus)

Todos ambicionam a paz. Raros ajudam-na.

Que fazes por sustentá-la?

Leia mais...

Onde estão o céu e o inferno segundo o Espiritismo

Este ano comemoramos o sesquicentenário do lançamento do livro "O Céu e o Inferno" de Allan Kardec, considerada uma das obras basilares do Espiritismo.

Em virtude de termos recebido convites para a realização de palestras sobre o tema, retomamos o estudo da obra, relembrando o prazer de ler um trabalho tão bem feito, meticuloso e abrangente, desenvolvido pelo nosso codificador

Leia mais...

Fato Verídico - Chico Xavier

Por Divaldo Franco

Chico JesusO mais bonito não eram apenas as visitas que o Chico fazia com os grupos, mas aquelas anônimas que ele realizava pela madrugada, quando saía sozinho para levar seu conforto moral às famílias doentes, às pessoas moribundas, às vezes acompanhado por um amigo para assessorá-lo, ajudá-lo, pois já portava alguns problemas de saúde, mas sem que ninguém o soubesse.
Ali estava a maior antena paranormal da humanidade dos últimos séculos, apagando este potencial para chorar com uma família que tinha fome.

Ele contou-me que tinha o hábito, em Pedro Leopoldo, de visitar pessoas que ficavam embaixo de uma velha ponte, numa estrada abandonada, e que ruíra. Ia ele, sua irmã Luiza e mais duas ou três pessoas muito pobres de sua comunidade. À medida que eles aumentavam a frequência de visitas, os necessitados foram se avolumando, e mal conseguiam víveres para o grupo, pois que os seus salários eram insuficientes, e todos eram pessoas de escassos recursos.

O esposo de Luíza, que era fiscal da Prefeitura, recolhia, quando nas feiras livres havia excedente, legumes e outros alimentos, e que eram doados para distribuir anonimamente, nos sábados, à noite, aos necessitados da ponte.

Houve, porém, um dia em que ele, Luíza e suas auxiliares não tinham absolutamente nada; decidiu-se então, não irem, pois aquela gente estava com fome e nada teriam para oferecer. Eles também estavam vivendo com extremas dificuldades. Foi quando lhe apareceu o espírito do Dr. Bezerra de Menezes, que sugeriu colocasse algumas bilhas com água, que ele iria magnetizá-las para serem distribuídas, havendo, ao menos, alguma coisa para dar. Ele assim o fez, e o Espírito benfeitor, utilizando-se do seu ectoplasma bem como o das demais pessoas presentes, fluidificou o líquido.

Esse adquiriu um suave perfume e, então, o Chico tomou moringas e, com suas amigas, após a reunião convencional do sábado, dirigiram-se à ponte.

Quando lá chegaram encontraram umas 200 pessoas, entre crianças, adultos, enfermos em geral, pessoas com graves problemas espirituais, necessitados.

"Lá vem o Chico, dona Luíza" - gritaram e ele constrangido e angustiado, por ter levado apenas água (o povo nem sabia o que seria água magnetizada, fluidificada), pretendeu explicar a ocorrência.

Levantou-se e falou:

- "Meus irmãos, hoje nós não temos nada" - e narrou a dificuldade.

As pessoas ficaram logo ofendidas tomando atitudes de desrespeito, e ele começou a chorar. Neste momento, uma das assistidas levantou-se e disse:

- "Alto lá! Este homem e estas mulheres vêm sempre aqui nos ajudar e, hoje, que eles não têm nada para nos dar, cabe-nos dar-lhes alguma coisa.

Vamos dar-lhes a nossa alegria, vamos cantar, vamos agradecer a Deus".

Enquanto ela estava dizendo isso, apareceu um caminhão carregado, e alguém, lá de dentro, interrogou:

- "Quem é Chico Xavier?".

Quando ele atendeu, o motorista perguntou se ele se lembrava de um certo Dr. Fulano de Tal?

Chico recordava-se de certo senhor de grandes posses materiais que vivia em São Paulo, que um ano antes estivera em Pedro Leopoldo, e lhe contara o drama de que era objeto. Seu filho querido desencarnara, ele e a esposa estavam desesperados - ainda não havia o denominado correio de Luz, eram comunicações mais esporádicas.

Chico compadeceu-se muito da angústia do casal.

Durante a reunião, o filhinho veio trazido pelo Dr. Bezerra de Menezes e escreveu uma consoladora mensagem. Então, o cavalheiro disse-lhe:

- "Um dia, Chico, eu hei de retribuir-lhe de alguma forma. Mas como é que meu filho deu esta comunicação?".

Chico explicou-lhe:

- "É natural esse fenômeno, graças ao venerando espírito Dr. Bezerra de Menezes, que trouxe o jovem desencarnado para este fim", e deu-lhe uma idéia muito rápida do que eram as comunicações mediúnicas. O casal ficou muito grato ao Dr. Bezerra de Menezes, e repetiu que um dia haveria de retribuir a graça recebida.

Foi quando o motorista lhe narrou:

- "Estou trazendo este caminhão de alimentos mandado pelo Sr. Fulano de Tal, que me deu o endereço do Centro onde deveria entregar a carga, mas tive um problema na estrada, e atrasei-me; quando cheguei, estava tudo fechado. Olhei para os lados e apareceu-me um senhor de idade com barbas brancas, e perguntou o que eu desejava.

- "Estou procurando o Sr. Chico Xavier" - respondi.

- "Pois olhe: dobre ali, vá até uma ponte caída, e diga que fui eu quem o orientou" - respondeu-me.

- "E qual é o seu nome?" - indaguei, e ele respondeu.

- "Bezerra de Menezes".

Moral da História:

Não ame pela beleza, pois um dia ela acaba. Não ame por admiração, pois um dia você se decepciona. Ame apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação.
Por : por Weber Malcher - O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Editorial - Humanidade Real

"... Eis o Homem!" – Pilatos. (JOÃO, capítulo 19, versículo 5.)

Apresentando o Cristo à multidão, Pilatos não designava um triunfador terrestre.
Nem banquete, nem púrpura.
Nem aplauso, nem flores.

Leia mais...

Pagina 1 de 10