reunioespublicas inicialsite  ciclosite 2017 01 1  terceirodomingo2017 chamadasite 02  abrace essa causa 01  Doe online

FEIG se despede de seu principal fundador

Enio rostoNatural de São Bernardo do Campo (SP), nasceu em 24 de maio de 1925, apesar de constar da Certidão de Nascimento o ano seguinte. Filho de Maria da Conceição Wendling e Nicolau Wendling, foi o sétimo dos treze filhos do casal. Com a família ainda em formação, mudaram-se para Buenópolis (MG) e posteriormente para Belo Horizonte, onde se estabeleceram em 1928 e residiram em seis diferentes endereços. Na infância e adolescência, Enio foi um garoto inteligente, irrequieto e provocador. Mais tarde, enfrentaria doenças graves, como a tuberculose, de tratamento difícil naqueles tempos.

Estando Enio com aproximadamente dez anos de idade e residindo na Rua Silva Jardim, no bairro Floresta, juntamente com os pais e os irmãos já nascidos, iniciou-se a produção de fenômenos mediúnicos de efeitos físicos, à época incompreensíveis para a criança e sua família. Eram portas de armários que se abriam, roupas atiradas ao chão, sopa que girava sozinha no prato durante as refeições, ruídos de passos de pessoas caminhando de chinelos pela casa à noite. Muitas vezes os fatos, testemunhados pelos irmãos e pelas empregadas domésticas que com eles moravam, os apavoravam. Em certa ocasião, um padre de igreja próxima foi chamado para abençoar a casa onde havia um "menino possuído pelo demônio". Porém, durante a visita, o sacerdote testemunhou a materialização de um crucifixo. A partir da sugestão de um tio, a Sra. Maria Wendling foi recomendada a levar o filho para o centro espírita na vizinhança: era o antigo Centro Oriente, para onde a mãe passou a se dirigir, levando consigo o garoto e dois de seus irmãos.

Estava assim iniciada a admissão de Enio Wendling ao Espiritismo. À medida em que o tempo passava, seus recursos mediúnicos ficavam mais patentes, como vidência, efeitos físicos, psicofonia e psicografia. Em 1949, ele foi conduzido ao trabalho mediúnico disciplinado na casa de Jair Soares, marido de Elvira Soares, hoje conhecida como o Espírito Irmã Ló. Naquela época, as casas espíritas não possuíam a estrutura funcional que conhecemos atualmente e a residência do Sr. Jair se tornou um verdadeiro laboratório de fenômenos de materializações luminosas, com vários médiuns de efeitos físicos em atividade, dentre eles nosso Enio. Em diversas ocasiões, Espíritos como Scheilla e José Grosso se mostravam aos presentes, de sorte que mesmo as pessoas que não possuíam vidência podiam vê-los e tocá-los. Pedras se materializavam nos recintos da casa, trazidas de fora pelos Espíritos, discos de vinil eram dobrados sem que ninguém os tocasse e muitos outros fenômenos fizeram parte desta época, em que os Amigos Espirituais almejavam chamar à atenção as pessoas para as possibilidades de interação entre os mundos material e espiritual. A esposa de Jair, Dona Ló, mesmo tendo sido atestado pelos médicos terrestres a viver apenas mais alguns dias, foi curada de enfermidade grave pelo Espírito Scheilla e permaneceu reencarnada ainda por mais de vinte anos.

Ao longo da década de 1950, surgiu o que atualmente conhecemos como  Grupo de Fraternidade Espírita Irmã Scheilla, nas mesmas dependências do Centro Oriente. Alguns anos mais tarde, era edificado o Casa Espírita André Luiz (CEAL), na Rua Rio Pardo. Enio participou ativamente dos trabalhos mediúnicos em ambos, já como intermediário do Espírito Glacus pela psicografia, assim como foi colaborador para a construção do CEAL. O Sr. Jair Soares tinha o hábito de levá-lo para muitas viagens pelo interior e para fora dos limites de Minas Gerais, em cujas localidades eram realizadas reuniões de efeitos físicos para fins de cura de enfermidades. Os fenômenos obtidos pela faculdade do jovem médium eram cada vez mais admirados e respeitados por toda a comunidade espírita.

Em 1976, Enio pressentiu a necessidade de desenvolver as suas atividades com o Espírito Glacus em outro local. Deixou então o Grupo Scheilla para fundar, em endereço provisório e juntamente com outros companheiros da seara espírita, a Fraternidade Espírita Irmão Glacus. Fundador e conselheiro, Enio prosseguia com o trabalho dedicado à mediunidade com Jesus, atuando na psicografia e na visita fraterna com disciplina impressionante. Em 1984 foi finalmente inaugurada a sede própria da FEIG, onde Enio trabalhava com regularidade junto ao seu mentor espiritual, transmitindo aos solicitantes as chamadas receitas, orientações psicografadas com prescrições de tratamentos espirituais. Ao final das reuniões públicas nas quintas-feiras, o médium frequentemente tomava a palavra e trazia ao conhecimento dos presentes relatos de suas percepções do campo espiritual, uma vez que durante o processo psicográfico, conduzido pelo médico Glacus, o espírito do médium tinha a liberdade de se emancipar do corpo físico, visitar as atividades nos ambientes espirituais da FEIG e interagir com outros Espíritos, como com o seu amigo espiritual Kalimério. As publicações desses relatos no periódico da casa, o Jornal Evangelho e Ação, eram bastante apreciadas e provocavam grande repercussão entre os leitores.

Como curiosidade, em 24 de junho de 2000, durante a realização de reunião de tratamento espiritual na FEIG, o Espírito José Grosso informou aos presentes que o médium Enio completava sua participação em 907 reuniões desse tipo, sendo 36 vibracionais e 871 de efeitos físicos (com materializações luminosas ou semiluminosas), a contar desde sua participação nas reuniões na casa do Jair Soares. Não temos a estatística exata a partir do citado ano e até o afastamento do médium de suas atividades, motivado por problemas de saúde inerentes à idade avançada. Na visita fraterna, por exemplo, o Sr. Enio foi atuante, semanal e regularmente, por mais de cinquenta anos. São números impressionantes, que não somente vêm atestar a dedicação, perseverança e seriedade do médium em sua conduta perante a Doutrina Espírita, sempre fundamentado nas bases do Evangelho do Cristo, como nos servem como inspiração, referência e estímulo, para nossa própria caminhada no processo evolutivo do espírito.

Nos últimos anos de sua vida física, Enio contraiu sérias enfermidades, consequências naturais de sua senilidade. Não obstante, conservava incomparável bom humor, extremada atenção a todas as pessoas com quem interagia e, eventualmente, demonstrava estarem ativas certas nuanças de suas faculdades mediúnicas, como episódios de sonambulismo na sua mais pura expressão. Médium vidente, clarividente, audiente, psicógrafo, psicofônico, de efeitos físicos e de bicorporeidade, soube utilizar seus recursos mediúnicos com sabedoria em favor do próximo e da causa espírita. Desencarnou às 13h40 do dia 17 de janeiro de 2016, com 90 anos, após período de alguns dias de internação no CTI do Hospital Vera Cruz, em Belo Horizonte, tendo ao seu lado os filhos queridos e amigos da FEIG a ampará-lo.

Nas palavras do Espírito Glacus ao público, na Reunião de Convívio Espiritual realizada na tarde do mesmo dia da sua desencarnação, Enio foi "exemplo de responsabilidade, de dedicação, de amor, de disciplina e de boa vontade, que comove e fortalece os laços desta casa de amor".

E, referindo-se aos seus instantes derradeiros, o Mentor revelou:

"Toda a equipe espiritual reunida em sua volta no leito e ele nos abraçava em espírito e, tornando-se para mim, disse:

- Querido irmão Glacus, eu gostaria de melhorar a saúde, para me dedicar mais um pouco à FEIG. Eu ainda fiz muito pouco!

As suas palavras não apenas me emocionaram, mas à toda a equipe espiritual. E nós, com carinho e amor, lhe explicamos a obra que deixou erguida nesta casa. Nosso irmão Enio recebeu intensa luminosidade no momento de sua partida para o plano espiritual. Equipes espirituais de vários grupamentos se fizeram presentes. E nosso irmão, ereto, foi conduzido aos planos mais altos, à colônia de Nosso Lar, onde ele estará nos hospitais daquela organização espiritual, recebendo o refazimento, para certamente retornar ao trabalho edificante que ele começou a construir aqui na Terra, nesta Fraternidade."

Assim como nosso Enio gostava de cumprimentar todas as pessoas, encerramos o texto com a sua saudação preferida: "Paz e alegria!".