Joseph Gleber

Joseph Gleber nasceu no dia 15 de agosto de 1904 na cidade de Offenbach, Alemanha. Filho de judeus, mesmo nascido em território alemão, teve muita dificuldade para completar seus primeiros anos de estudo, por causa do imenso preconceito reinante contra o seu povo. Com muito trabalho e muita luta Joseph conseguiu estudar e transferiu-se para a capital cursando o ensino superior no Instituto de Física da Alemanha, viajou em seguida para Áustria onde se aperfeiçoou no curso de física na Universidade de Viena e iniciou seus estudos em medicina.

Em Viena Joseph se casou com Herta Misloy, filha de judeus nascida em Salzburg, posteriormente os dois foram morar em Berlim. Do casamento tiveram dois filhos Rudolph e Kleine. Em Berlim iniciou seus trabalhos em medicina e começa a lecionar física nas comunidades judaicas em especial as mais pobres onde também atendia gratuitamente como médico. 

Joseph amava a Física e juntou-se às grandes inteligências do país para desvendar os segredos da energia nuclear. Envolve-se com o físico italiano Enrico Fermi e aprofundou suas pesquisas atômicas junto com outros cientistas que realizavam pesquisas nessa mesma área.

Em consequência de suas pesquisas e de suas publicações em boletins especializados e em decorrência das pesquisas que realizou sob orientação de Albert Einstein, Joseph foi convocado para ingressar na equipe de física do governo alemão, tendo sido confinado juntamente com a equipe em campos de estudo e laboratórios altamente equipados cedidos para que pudessem desenvolver tecnologias com vistas ao aperfeiçoamento dos combustíveis utilizados pelos alemães à época.

Como os nazistas subdividiam o trabalho em equipes independentes para dificultar a espionagem, Joseph Gleber não sabia que esses combustíveis seriam utilizados para alimentar as bombas voadoras desenvolvidas por outro físico e que espalhou muito sangue na Inglaterra fazendo milhares de inocentes sofrerem.

Por razões de segurança, após a ofensiva na Inglaterra, os cientistas foram trocados de lugar e orientados a desenvolver estudos e experiências que lhes dariam subsídios para a criação da bomba atômica. O governo nazista indicou pessoas de confiança, cientistas como Joseph Gleber, para realizarem os testes necessários à construção da bomba atômica.

Então percebendo do que se tratava Joseph decidiu adiar ao máximo a conclusão de suas pesquisas mesmo os outros cientistas já terem concluído seus trabalhos ficavam impotentes, pois dependiam das pesquisas de Joseph para finalizar o projeto.

Segundo relato de Joseph Gleber em sua biografia no livro Medicina da Alma, psicografado pelo médium Robson Pinheiro, não foi uma decisão fácil. Ele diz:

A minha decisão fora tomada após muitas lutas íntimas, pois eu sabia quais riscos correria. Não somente eu, mas também minha família.

Após meditar muito, recorrendo aos valores morais adquiridos em anos de lutas e dificuldades interiores, não hesitei. Preferi sacrificar a mim e aos meus a sentir na consciência o peso da destruição de milhões de vidas inocentes que sucumbiriam, caso a Alemanha obtivesse o domínio da bomba atômica.

E assim, no dia 13 de abril de 1942 fui levado, com minha mulher e meus dois filhos, para dentro de um forno crematório e fomos todos cremados vivos.

Até hoje me alegro por haver tomado essa decisão pude constatar que foi graças a ela que o poder do 3° Reich não logrou seus intentos em muitas de suas iniciativas. Com certeza os imortais que dirigem o nosso mundo confiaram em mim e em virtude dessa confiança e das convicções de meu espírito quanto aos valores eternos continuei deste lado da vida a trabalhar para que meus irmãos pudessem compreender e valorizar a vida sob qualquer forma que ela se manifeste com o apoio da Providência. Tenho certeza de que aquilo que realizei foi indicado por nossos amigos do mais alto e sendo assim, fui convidado a promover o estudo e o trabalho que auxilie nas tarefas às quais me dedico”.

O espírito nobre de Joseph Gleber acordou no invisível sem mágoas e em aparente paradoxo, tão logo readaptado à nova condição vibratória, compadeceu-se daqueles que perpetuaram os crimes de guerra ou que lhes sofreram as injunções e se devotou a assisti-los na região sofrida em que se demoravam.

Joseph Gleber é um dos mentores espirituais da Casa de Glacus auxiliando através de orientações de saúde física e espiritual às pessoas que procuram na orientação espiritual da FEIG, em reuniões de Convívio Espiritual da Fraternidade (terceiro domingo) e também traz mensagens através da psicofonia da médium Sumaia Ganem.

 

www.revistajosephgleber.blogspot.com/p/joseph-gleber.html (Adaptado)